Aos filhos da pátria amada




Nossas matas virgens
São vendidas a cafetões
Nosso ouro e nossas riquezas
São levados por ladrões

Nosso céu azul
É velado por carbono
Das estrelas morre a esperança
A sensação é de abandono


Muito se grita, muito se bate
E os de cima se riem
"O povo que se cate"

Irmãos, somos filhos desta terra
Ostentem a faixa de ordem
Que o progresso nos espera

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As glórias de Eva

Borboleta - O clamor das asas