As glórias de Eva


Canta, mãe terra
Ou antes chora de desgosto
Por teus filhos ingratos
Presos a orgulhos inatos
O amor do peito já deposto

Chorem, mulheres
Na dor de parir
Um fruto corrompido
Do céu de sangue caído
E de quem a vida verão ruir

Geme, garota
A quem difamaram
Por teu jeito torto ou corpo dado
Não te culpes pelo humor dilacerado
De ódio e rancor é que te armaram

Lamenta, menina
Regrada na prece
Desnutrida de força
Para ser boa moça
Em cujo peito o orgulho perece


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Borboleta - O clamor das asas