Vestígios de um duelo

















De cima vem um olhar frio
de baixo um olhar suplicante
aqui dentro o ar é sufocante
lá fora, a noite é um pulmão ofegante

Sangue que sobe pela garganta
como a lava borbulhante do vulcão
bloqueando qualquer suspiro de vida
e despejando-se pelo chão

O luar refletia no peito suado
que buscava no ar impregnado
oxigênio para se manter

Depois do duelo travado
depois de suor e sangue derramados
só há um corpo vivo para a lua ver.
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Hoje, na aula de Teoria do texto Poético, a professora nos passou um texto e, depois de lê-lo, pediu que produzíssemos algo, em prosa ou verso, baseados no tema 'lá fora, a noite é um pulmão ofegante.'
Eu e minha dupla/colega de sala/amiga, Beatriz Góes (blog Caderno de Devaneios), produzimos o poema acima. Espero que tenham gostado.

Comentários

  1. E a poesia pede passagem. Obrigada meninas por esse momento de iluminura poética. abraços meus pra vocês que com a respiração desse pulmão fizeram esse poema.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

As glórias de Eva

Borboleta - O clamor das asas